BEM VINDO!
QUEM SOU
FOTOS -  FASE ATUAL
EXPOSIÇÕES
TEXTOS
Texto de Graça Ramos
Texto de Alejandra Muñoz
Texto de Jaci Mattos
WEB
CONTATO
LIVRO DE VISITAS
   
 

TEXTO DE JACI MATTOS

MOTIVAÇÕES

Quando eu era criança nutria verdadeiro pavor pelas chuvas fortes (tempestades). O efeito da mistura chuva/vento/trovão, em mim, podia ser devastador. Na minha cabeça, a imagem constante era a de casas desabando e lama escorrendo pelos morros, levando consigo muitas vidas.

Ao me tornar adulta, pude compreender que o meu temor se devia à preocupação com os desastres que ocorriam nas moradias das favelas e encostas durante as chuvas – notícias que eu acompanhava através da televisão – e reconheci que aquela situação me trazia uma acentuada inquietação.

Passei a canalizar essa inquietação na produção de obras plásticas que traduzissem aquelas imagens que me afligiam.

Usando lascas de madeira compensada impregnadas de memória – já que são coletadas em lixões e refugos da construção civil – diretamente na tela, procuro imprimir o caráter de efêmero, inacabado e precário, características inerentes àquelas construções.

Proponho certa semelhança com os barracos, ao definir uma composição que prima pela organização vertical/horizontal, o que a aproxima visualmente das construções originais. Além disso, busco transmitir um caráter subjetivo ao sugerir a presença humana na imagem que tento materializar. Vermelhos traduzem sangue (vida pulsante, sofrimento e dor), cicatrizes, costuras e as feridas que o próprio material alude, tentam criar uma analogia entre o corpo da cidade e o corpo humano – sendo que um não está dissociado do outro - para lembrar as mazelas de uma cidade doente, cujos principais sintomas são: êxodo rural, desemprego, falta de acesso à moradia e violência. Os abrigos precários que se “equilibram” nas encostas e se multiplicam sob as marquises e viadutos, são chagas que nunca cicatrizam, pois estão em constante movimento, migrando e se adensando em algumas regiões, e rebrotando em locais antes contidos.

Ao me apropriar do material, trabalho no suporte pretendido de forma a enfatizar a rudeza de suas propriedades matéricas, destacando as feridas recidivas e em carne viva de uma Salvador perdida e dilacerada num intenso processo de urbanização.

A intenção é provocar o observador com o intuito de que o mesmo possa compartilhar a exteriorização dos conflitos gerados pela percepção e reflexão temática.

JACI MATTOS